19 de julho de 2016

O cansaço da mente

Como alguns de vocês se foram apercebendo os últimos dias não têm sido fáceis.

Primeiro o Bernardo partiu o braço no recreio da escola, obrigando-me a ficar de baixa, pois as atividades que iriam iniciar no ATL não seriam compatíveis com a condição dele. Temos estado por casa quase o tempo todo, saímos para ir ao HSJ para verificar a evolução da situação e ás insultas médicas, e pouco mais.

Depois veio este susto de Istambul, onde está em trabalho o meu marido. Ele estava já no hotel quando tudo começou a acontecer, mas ainda assim foram dias de muita ansiedade. Primeiro estavam à espera que a empresa e a embaixada dessem ordem para poderem regressar, e depois conforme o regresso à normalidade se ia realizando começou-se a pensar que afinal teriam de ficar e acabar a obra. E assim foi decidido pela empresa...eles ficam a terminar a obra a menos que haja algum desenvolvimento em contrário.
E eu aqui, e também o resto da família, continuamos apreensivos e a tentar controlar a ansiedade da melhor maneira possível.


Por isto o cansaço emocional tem sido muito e difícil de gerir.